Espetáculo Circense de Rua

Bem debaixo do Seu Nariz nasceu em constantes apresentações de rua, no Parque Ibirapuera e na Praça da República, durante o ano de 91. Depois, em 92, estreou no Circo do Centro Cultural São Paulo onde se tornou um dos grandes sucessos da temporada. Se manteve no repertório do grupo por dez anos, realizando mais de 500 apresentações.

O espírito circense dos Parlapatões se ressaltava nesta montagem. Feita para estar presente numa praça, num parque ou mesmo num teatro. Não importava qual palco, e sim a roda, o picadeiro que se formava com o próprio público. Ali, um novo colorido era dado ao cotidiano pela magia dos palhaços e suas excentricidades.

Os Parlapatões traziam para a cena todos os recursos dos verdadeiros palhaços de picadeiro, com seus truques e seu jogo cênico universal, capaz de fazer rir até o espectador mais exigente.

Números tradicionais de Circo elaborados para apresentações de rua, sujeitos a imprevistos e à diversidade de condições que o dia-a-dia oferece, ganhavam nova dimensão pela forma como se apresentavam.

Seu roteiro simples mostrava dois palhaços disputando a atenção do público. Faziam desta disputa pretextos para improvisações cômicas e equilibradas. A abertura era com um número musical onde um anão e um gigante tentavam tocar juntos. No número seguinte, após cumprimentarem o público, estabeleciam um jogo cômico com a participação intensa da platéia. Em seguida, um número de malabares fazia da demonstração de habilidades, um motivo de riso e confusões. Tudo se encerrava numa luta de boxe cheia de pancadarias e bom humor.

O grande mote de Bem Debaixo de Seu Nariz era a improvisação. Qualquer interferência interna ou externa ao espetáculo se tornava parte da festa que contagiava a todos. Os Parlapatões mostravam suas raízes atuando, tocando instrumentos, fazendo acrobacias, e malabarismos. Tudo para resgatar na milenar arte circense a origem da comédia: as apresentações de rua.

FICHA TÉCNICA

Espetáculo Circense de Rua

Roteiro, Direção e Elenco: Hugo Possolo e Alexandre Roit
Música Tema: Atílio Marsiglia
Cenário e Figurino: Hugo Possolo
Iluminação: Alexandre Roit
Adereços: Jesus Seda
Costureira: Alice Correia
Programação Visual: Agentemesmo Produções Gráficas
Fotos: Carlos Eduardo Piratininga
Secretária: Cláudia Gianini
Produção
*: Parlapatões
Realização: PARLAPATÕES, Patifes & Paspalhões, da Cooperativa Paulista de Teatro.

* Espetáculo produzido em 1992, por Parlapatões, Patifes & Paspalhões associados a E.C.P. – Estudos Culturais Programados, com Coordenação Geral de Produção de Leopoldo de Léo Jr. e Produção Executiva de Amália Tarallo. Depois que os Parlapatões encerraram sua associação com a E.C.P., o grupo se filiou à Cooperativa Paulista de Teatro, assinando as realizações apenas com o nome do grupo junto ao da entidade.