Nóis otários[s]

(montagem 2012)

Nóis otários[s] é uma peça, de narrativa anárquica, que discute a corrupção do Brasil, por meio de hipérboles e situações cômicas insólitas. O texto inédito do parlapatão Hugo Possolo, além da encenação, será publicado pela editora Giostri, em lançamento conjunto com a estreia da peça.

A peça narra a vida de Luiz Carlos, o maior otário da história, que se vê envolvido num grande imbróglio, que envolve o importante senador Laudemar do Espírito Santo. Por causa das confusões feitas entre o assessor do senador, um agente federal e o presidente de uma ONG, Luiz Carlos acaba se tornando responsável pela instalação de uma CPI.

Para o autor e diretor, Hugo Possolo “a peça não se limita a ideia de denúncia, mesmo porque todas as situações estão presentes nos jornais diariamente, mas aborda o quanto a política brasileira traz de elementos tão absurdos que fariam qualquer Beckett ou Kafka ficarem envergonhados!…”

Nóis otários[s] não é exatamente uma comédia. Possolo a define como uma subcomédia feita mais para o riso de indignação do que para a gargalhada de aceitação. Também a define como uma peça de autoengano, como uma resposta ácida ao individualismo presente nas obras de autoajuda. Texto e encenação são arquitetados para gerar uma certa confusão da mente dos espectadores, no sentido de revelar o quanto nós, brasileiros, nos permitimos ser enganados, fingindo a felicidade de viver em um país emergente.

Embora aborde o jogo político, a peça relata como o individualismo e a hipocrisia norteiam certas decisões, o que revela como a manipulação criada estrategicamente se confunde com atitudes displicentes que fazem o país viver suas enormes contradições.

O uso de imagens em vídeo em Nóis Otário[s] retrata como as informações são manipuladas antes que cheguem a público. O vídeo também é importante componente cenográfico, criando ambientes para as várias versões de um mesmo fato.

A intensidade da atuação se alia ao jogo de humor dos atores dos Parlapatões para construir uma trama, que beira o suspense, onde a ironia mostra sua função cômica. A complexidade do ser humano é abordada em todos personagens, tanto para evitar caricaturas quanto para inseri-los no contexto de uma realidade contemporânea. A dualidade de cada um dos personagens pretende tirar o público da cômoda situação de aceitar um lado bom e outro mau da história, para jogá-lo de frente com seus próprios preconceitos.

Nóis otários[s] é uma provocação dos Parlapatões. Para que a imaginação do público se volte para a contradição de vivermos em um país cuja sensação de bem estar e perspectiva de futuro farto navegam sobre atitudes acríticas e comportamentos alienados, que facilitam a longa colheita dos corruptos.

04-ficha-tecnica
Ficha Técnica

Texto e Direção: Hugo Possolo
Elenco:
Raul Barretto, Alexandre Bamba, Fabek Capreri, Rodrigo Mangal e Hélio Pottes

Participação em vídeo: Erika Puga, Hugo Possolo, Claudinei Brandão, Adriana Amorim, Gabriela de Andrade Amorim, Ricardo Bibi Benedetti e Bruna Angi

Cenografia, Figurinos e Sonoplastia: Hugo Possolo
Iluminação: Reynaldo Thomaz
Vídeos: Camila Possolo e Arthur Carneiro
Assistência de Direção: Carlos Baldin
Produção de Figurinos e Objetos de Cena: Silvana Ivaldi
Costureira: Leci Andrade, Alice Correa
Programação Visual e Imagens do Cenário: Werner Schulz
Pesquisa sonora: Rodrigo Bella Dona, Camila Possolo e Arthur Carneiro
Edição de Sonoplastia: Hugo Possolo
Operação de Luz: Reynaldo Thomaz
Operação de som: Vinícius Andrade
Operação de vídeo: Rodrigo Bella Dona
Fotos do Programa: Camila Possolo
Fotos da peça: Luiz Doroneto
Produção Executiva: Erika Horn
Assistente de produção e Comunicação: Janayna Oliveira
Coordenação de Produção: Hugo Possolo e Raul Barretto
Realização: Agentemesmo Produções Artísticas – Parlapatões

EM BREVE

  IMPRENSA

EM BREVE

 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

EM BREVE